chip

Chip implantado sob a pele permite monitorizar consumo de álcool

Partilhar por e-mail










Enviar
5
Partilhas

Engenheiros da Universidade de San Diego, Califórnia, desenvolveram um micro sensor que pode ser colocado sob a pele para monitorizar o consumo de álcool.

O minúsculo sensor, apresentado hoje, tem um baixo consumo de energia e pode ser usado continuamente por um longo período. Foi pensado especialmente para pessoas em programas de tratamento por dependência de álcool.

O chip, explicaram os investigadores, é tão pequeno que pode ser implantado no corpo logo abaixo da superfície da pele e é alimentado por uma ligação sem fios através de um dispositivo como um telefone ou relógio ‘inteligente’.

“O objetivo final deste trabalho é desenvolver um rastreio de álcool e drogas rotineiro e não intrusivo, em doentes que estejam em programas de tratamento de abuso de substâncias”, disse Drew Hall, professor de engenharia elétrica na Universidade de San Diego e que liderou a investigação.

Até agora o chip já foi testado num ambiente que simulava o humano e no futuro será implantado em animais. Os investigadores estão também a desenvolver versões que possam vigiar outras substâncias no corpo, como drogas.

O responsável lembrou que há outras ferramentas para monitorizar pacientes em tratamento mas que são todas elas menos convenientes, desde o “teste do balão”, que é o mais comum mas que exige que o paciente se predisponha e saiba fazê-lo e não é muito preciso, passando pela análise sanguínea, que é mais precisa mas que exige a presença de um técnico especializado.

Uma “alternativa promissora”, disse, são os sensores colocados na pele, semelhantes a uma tatuagem, mas que têm o inconveniente de poderem ser removidos e de serem utilizados apenas uma vez.

“Um sensor minúsculo, implantado através de uma injeção, que pode ser colocado numa clínica sem necessidade de cirurgia, pode ser mais fácil para os doentes que estão a seguir um programa de monitorização durante um longo período”, disse Drew Hall.

O chip mede cerca de um milímetro cúbico e pode ser injetado no fluido intersticial (fluido que envolve as células do corpo). Contém um sensor e é revestido com uma enzima que interage com o álcool para gerar um subproduto que pode ser detetado eletroquimicamente. Os sinais elétricos são depois transmitidos para um dispositivo via ‘wireless’.

Os investigadores desenharam o aparelho para que consumisse a mínima quantidade de energia possível, 970 nanowatts ao todo, cerca de um milhão de vezes menos do que gasta um smartphone ao fazer uma chamada telefónica.

“Não queremos que o chip tenha um impacto significativo na vida útil da bateria. E a partir do momento em que o implantamos, não queremos que seja gerada em determinada parte do corpo uma grande quantidade de calor, nem queremos uma bateria potencialmente tóxica”, justificou.

Fontenoticiasaominuto.com|ImagemLusa

Deixe uma mensagem!