Cerveja e Saúde

O consumo moderado de cerveja melhora o sistema imunológico e cardiovascular

[ultimatesocial skin="easy" networks="facebook,twitter,mail,total" custom_class="ultimatesocial-single top" count="false" align="left" share_text=""]

O consumo moderado de cerveja pode melhorar a resposta imunológica do organismo e proteger o coração em adultos saudáveis. Esta é a conclusão principal exposta pela Dr.ª Ascención Marcos, do Grupo de Imunonutrição do Departamento de Metabolismo e Nutrição do Instituto de Ciência e Tecnologia dos Alimentos e Nutrição do CSIC. O estudo foi apresentado durante a sua participação na mesa redonda ‘Comportamentos Saudáveis’, na XVI Reunião da Sociedade Espanhola de Nutrição que decorre na Universidade de Navarra. Neste encontro, que conta com a participação de distintos profissionais de saúde do campo da nutrição, debateu-se o papel da actividade física e nutrição num contexto saudável e sustentável.

Ascensión Marcos centrou a sua intervenção na apresentação dos resultados do estudo entitulado ‘Consumo moderado de cerveja. Estudo nutricional e imunológicio em humanos e animais de experimentação’ elaborado pelo seu grupo de investigação, que liderou.

Assim, valorizou o papel do consumo moderado de cerveja em relação ao sistema imunológico e sistema cardiovascular, concluíndo que a cerveja em doses moderadas poderia, por um lado, melhorar a resposta imunológica contra patogénicos externos, e por outro, melhorar o sistema cardiovascular ao diminuir os níveis de colesterol total e triglicéridos.

Assinalou a formo como, aquando da ingestão moderada de cerveja, observou-se um aumento dos leucócitos (glóbulos brancos) e linfócitos, em especial dos linfócitos T, umas células imunológicas que ajudam a destruir microorganismos invasores, protegem o corpo de bactérias específicas, destroem vírus, respondem a tecidos estranhos como transplantes e actuam como reguladores do sistema imunológico.

Durante o período da investigação observou-se também uma melhoria significativa de glóbulos vermelhos e hemoglobina nos indivíduos participantes que consumiram cerveja moderadamente, com maior relevância nas mulheres dos que nos homens. A falta destes parâmetros poderia contribuir para falta de ferro e vitaminas do grupo B, ou seja, anemia.

Efeito cardioprotector da cerveja

O estudo comprovou um aumento dos níveis de colesterol bom entre os consumidores de cerveja. Trata-se de um biomarcador essencial cujo incremento está relacionado com um menor risco de formação de placas de ateroma (ou ateroscleróticas), pelo que tem um efeito cardioprotector.

A investigadora afirmou que “o consumo moderado de cerveja pode ajudar a aumentar os níveis de HDL, responsável por transportar o colesterol LDL, o colesterol mau, para o fígado, pelo que, ao diminuir os níveis de LDL, a cerveja exerce um efeito cardioprotector”.

As experiências também permitiram observar que o consumo moderado de cerveja em adultos saudáveis não produz nenhum tipo de alterações nos marcadores hepáticos.

Ascención Marcos explicou que a cerveja é uma bebida que pode ser incluída numa dieta saudável já que, por ser elaborada a partir de ingredientes naturais (água, cereal maltado e lúpulo) possui uma série de nutrientes derivados dos mesmos, como as vitaminas do grupo B, minerais, fibra e os polifenóis ou antioxidantes naturais, o que confere à cerveja um especial interesse do ponto de vista nutricional.

Foi também salientado que o nível calórico de uma cerveja é muito inferior ao de muitas outras bebidas alcoólicas, em que uma lata de 200ml apenas contém 90 kcal, o que é uma percentagem muito baixa da ingestão calórica diária recomendada de 2000 calorias para as mulheres e 2500 para os homens.

A cerveja e a massa corporal

No que respeita à massa corporal, durante o mês em que foi efectuado o consumo moderado de cerveja não se registou nenhum aumento de peso nem de massa corporal. Também não se verificaram alterações nos hábitos alimentares das pessoas que se submeteram ao estudo.

 

Deixe uma mensagem!