Halve Mann Brugse Zot Dubbel

Brugse Zot Dubbel

[ultimatesocial skin="easy" networks="facebook,twitter,mail,total" custom_class="ultimatesocial-single top" count="false" align="left" share_text=""]

Brugse Zot Dubbel

Produzida por De Halve Maan (Bélgica)
Estilo: Dubbel
Álcool/vol: 7.5%

Reza a lenda que no final do séc. XVI, Maximiliano da Áustria, o imperador do império Romano, foi recebido um dia em Bruges com uma enorme festa, com a população na rua a dançar e a divertir-se de forma enérgica. No final do dia terão pedido ao imperador que financiasse o novo manicómio, ao qual terá respondido algo do género: “Hoje apenas vi tolos. Bruges já é um grande manicómio!”. Desde então as pessoas de Bruges são chamadas de Tolos de Bruges, ou Brugse Zotten.

Esta cerveja é produzida pela De Halve Maan, que significa A Meia Lua. É uma cervejaria familiar, a única actualmente no centro histórico de Bruges. É a irmã mais forte da cerveja denominada apenas Brugse Zot, uma belgian pale ale com 6% de álcool que já ganhou vários prémios internacionais.

A cerveja tem uma cor escura castanho-avermelhada/cobre, relativamente límpida, o suficiente para passar alguma luz. Cria uma espuma firme, com algum volume e uma boa retenção.

O cheiro é algo adocicado e não foge ao habitual perfil belga, com cravinho e uma mescla de outros aromas típicos. Também pode identificar-se a presença de frutos escuros, passas, malte, caramelo, etc. Esta receita conta com 6 tipos de malte, por isso não é de estranhar a presença de alguma complexidade, para além da proporcionada por acção da fermentação. Não que um número elevado de ingredientes garanta uma cerveja com aroma e sabor complexo ou até mesmo uma boa cerveja, mas há essa possibilidade quando a cerveja é criada por quem domina perfeitamente o ofício. Apesar de tipicamente belga, o aroma não se mostrou um dos mais fortes que já evidenciei neste estilo. Não que haja algo de mal nisso, é apenas uma observação, uma nota.

Há alguma doçura no sabor, corpo médio, agradável, talvez um pouco mais leve do que outras do mesmo estilo que experimentei. Noto que parte do aroma tem correspondência directa no sabor. Não termina com amargor significativo. Como é habitual nestes estilos o lúpulo está lá para balancear os sabores, mas sem desviar muito a atenção dos restantes sabores. O álcool é bastante evidente ao engolir, mas sem ser muito forte ou desagradável.

Acho que é uma dubbel agradável. Não posso dizer que eu tenha uma exigência muito específica para este estilo – até porque sou bastante flexível em relação aos mesmos – mas acho que se situa adequadamente entre uma belgian pale ale/belgian ale e uma tripel, como é esperado. Nem que seja pela história e por ser uma cervejaria icónica de Bruges, acho que já vale a pena experimentar esta cerveja. Mas para além disso há ainda o sabor e o prazer de degustar, por isso, como os americanos dizem, é uma situação winwin.

Brugse Zot Dubbel

Deixe uma mensagem!