Inquérito da Brülosophy aos cervejeiros caseiros (2017)

Partilhar por e-mail










Enviar
1
Partilhas

O conhecido blog Brülosophy publicou os resultados de um inquérito realizado a 2570 produtores caseiros de cerveja e que nos dá uma ideia do perfil típico do produtor moderno, das suas preferências e outros parâmetros relacionados com a produção de cerveja.

A estatística inclui pessoas de muitos países, mas, como seria de esperar, a maior parte dos inquiridos pertencem aos Estados Unidos (71,6%), seguindo-se o Canadá (8,2%), Reino Unido (5,3%), Austrália (2,9%), Suécia (1,9%) e Nova Zelândia (1.7%).

Segundo os resultados, o perfil típico do produtor de cerveja caseiro actual é o de um homem caucasiano, na casa dos 30 anos, com algum tipo de pêlo facial, sem convicções religiosas fortes, com um emprego bem remunerado e que produz cerveja numa casa de que é dono.

A estatística que considero mais curiosa e de certa forma inesperada, foi aquela que mostra as fracas convicções religiosas do produtor caseiro. Estará relacionado com a mentalidade do produtor de cerveja? Será uma tendência das gerações mais recentes? Ou será que os cervejeiros apenas têm olhos para a deusa Ninkasi, mas não quiseram admitir no inquérito? 🙂

 

Veja todos os resultados do inquérito no site da Brülosophy.

O Brülosophy é um blog sobre cerveja artesanal muito seguido por cervejeiros caseiros e entusiastas da cerveja. É conhecido pelas suas experiências que ajudam a desvendar alguns mitos e a desafiar alguns dos pressupostos da produção de cerveja artesanal. Actualmente tem uma parceria com a American Homebrewers Association.

 

2 comentários

Pode deixar comentários nesta publicação


  • Não é muito diferente do Brasil, não é mesmo?

    Bia Amorim 2 meses atrás Responder


    • Confesso que não sei ao certo, porque sou português e não conheço a realidade da cerveja artesanal do Brasil assim tão bem (embora tente acompanhar dentro do possível), mas imagino que seja assim um pouco por todo o mundo, porque os valores dos cervejeiros artesanais foram sendo passados de país para país, sempre com uma grande influência dos Estados Unidos, onde começou este movimento de uma forma mais global e organizada.

      Rui Leal 2 meses atrás Responder


Deixe uma mensagem!