Lisboa: Investigadores precisam de voluntários para beber cerveja

Partilhar por e-mail










Enviar
20
Partilhas

[texto de sol.sapo.pt]

De acordo com um comunicado do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde da Universidade Nova de Lisboa (CINTESIS), a que a Agência Lusa teve acesso, vários investigadores vão desenvolver um estudo sobre os efeitos que o consumo moderado de cerveja pode ter na saúde e, para isso, são necessários vários voluntários.

O objetivo é avaliar o impacto que o consumo de cerveja tem na flora intestinal (microbiota intestinal), no perfil metabólico e lipídico em indivíduos saudáveis.

O estudo é liderado pela investigadora e também especialista em Nutrição e Metabolismo do CINTESIS, Conceição Calhau.

“O impacto do consumo de bebidas alcoólicas com compostos bioativos (nomeadamente polifenóis) na saúde é um tópico urgente nas ciências biomédicas”, disse a especialista, indicando que “participar neste estudo é uma oportunidade rara de contribuir para o conhecimento dos efeitos metabólicos do consumo de cerveja”.

Para o estudo, o grupo de investigadores precisa de 30 voluntários (saudáveis) do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos da idade. Quem se candidatar terá de consumir uma cerveja por dia, seja com teor alcoólico ou não, durante um prazo de quatro semanas.

“A colaboração no projeto não implica a toma de qualquer medicamento, apenas o consumo diário de uma cerveja, preferencialmente ao jantar, fornecida pela equipa”, explicou a coordenadora do estudo.

De acordo com a conclusão de vários estudos anteriormente realizados, verificou-se que as consequências estão, na maior parte das vezes, associadas ao estilo de vida que as pessoas levam, como é caso do sedentarismo, hábitos tabágicos e também uma má alimentação, “sendo assim difícil reconhecer os efeitos do consumo da bebida na ausência desse estilo de vida menos saudável”, sublinhou.

Durante o estudo, os voluntários vão ser avaliados por um profissional de saúde, tanto no início como no fim, através de análises de sangue, fezes e urina.

Fonte / Textosol.sapo.pt

Deixe uma mensagem!