Os aviões da Segunda Guerra que transportavam cerveja

Partilhar por e-mail










Enviar
113
Partilhas

Após a invasão dos Aliados na Normandia – o famoso D-Day -, os militares britânicos em França desenvolveram uma sede assinalável. A poeira, calor, água envenenada e a pouca cidra fraca disponível faziam com que sonhassem com uma bela cerveja. Queriam satisfazer a sua sede, mesmo que tivessem de recorrer a métodos não regulamentados ou até ilegais.

A cervejaria Henty and Constable teve conhecimento desta situação através de um correspondente da Reuteurs e decidiu oferecer cerveja às forças armadas britânicas em França.

Em pouco tempo alguns pilotos voluntários da Royal Air force entraram no negócio do contrabando. Limparam muito bem alguns tanques de combustível e encheram-nos com a cerveja. Depois bastava uma subida rápida até aos 15000 pés para tornar a cerveja fresca.

Enchendo os tanques de combustível com cerveja

Enchendo os tanques de combustível com cerveja

Reza a história que quando os primeiros pilotos chegaram ao destino, acharam estranho não haver uma grande recepção para o evento. Subitamente, um homem terá saído de trás de uma árvore e corrido até aos Spitfires para informar os aviadores que havia snipers alemães na zona e que tinham andado a disparar contra os britânicos o dia todo. Os aviadores soltaram os tanques com a cerveja e levantaram voo rapidamente.

Como seria de esperar, os recipientes improvisados para a cerveja – que mais tarde ganharam a designação oficial de “Modificação XXX” – estavam longe de ser os mais higiénicos e apropriados, por isso a cerveja acabava por ficar com um sabor metálico. Mas isso não impediu que os seus destinatários bebessem a cerveja até à última gota.  Outra alteração aos suportes das bombas permitiu transportar barris directamente nas asas. Para passarem despercebidos, adicionaram-lhes cones para que ao longe parecessem bombas verdadeiras.

Barris de cerveja em vez de bombas

Barris de cerveja em vez de bombas

Barris de cerveja disfarçados de bombas

Barris de cerveja disfarçados de bombas

O transporte aéreo de cerveja acabou mesmo por ser aprovado, embora não oficialmente, e continuou durante mais algum tempo, até que houve uma grande escassez de cerveja por toda a Inglaterra. Mas nessa altura outras cervejarias próximas das forças aliadas tinham entrado em funcionamento e os sobreviventes e soldados da Segunda Guerra Mundial continuaram a saciar a sua sede.

Fonte do artigo e fotoswarhistoryonline.com

Deixe uma mensagem!